Mensagens

1ª. Mensagem da CEC / agosto de 2017 Em que você investe seu tempo, Lucas 12.15-20

Mens_CEC1_ago_17.pdf (557 downloads) Mens_CEC1_ago_17.png (285 downloads)

A Bíblia afirma e temos visto com nossos próprios olhos que a morte chegará para todas as pessoas e nós não estamos isentos desse dia. Cada dia que passa nos aproxima desse momento.

Fazemos de tudo para nos estabelecermos, perdemos noites preciosas de sono com o medo do amanhã, até o dia em que Deus bradará dos céus dizendo: Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? (Lucas 12.20).

 

I.     Este texto do Evangelho de Lucas retrata a vida e motivos de muitas pessoas de se envolverem demais com a busca de riquezas. Aquele rico insensato acreditava que:

1.     A vida de um homem consiste na abundância dos bens que ele possui (vs 15).

2.     É mais importante se preparar para viver do que se preparar para morrer (vs 20).

3.     Seus bens materiais poderiam dar repouso à sua alma. Ele já tinha tudo, mas não tinha descanso de alma.

4.     Poderia alimentar a alma com aquilo que o corpo necessitava diariamente.

II.   Esqueceu de que Deus estava por trás dos frutos, do milho, e de tudo o que ele possuía. O homem colocou seu coração nas riquezas e não em Deus que o havia lhe abençoado.

·       Jesus faz uma advertência no sentido de que o desejo de adquiri-las não domine a vida e destrua toda possibilidade de pensar em Deus e de almejar a salvação.

III.  Ele estava cego para o fato de que o homem não pode viver somente de pão.

IV.  Ele não percebia que o regozijo não pode entrar num coração sem Jesus.

V.   Jesus chama de louco aquele homem porque não se preocupou com a a eternidade com Cristo.

·       Em vez de celeiros, ele teria um funeral; em vez da antecipação de uma vida de luxo, veio sobre ele um chamado para prestar contas a Deus. “… te pedirão a tua alma”.

 

Até que ponto temos nos parecido com este rico insensato da parábola?

Do que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? (Mc 8.36). Do que nos vale um tesouro na terra ao invés de um tesouro no céu? (Mt 6.19-21).

 

Deixe seu comentário